Diminuir a fonteAumentar a fonte 25/11/2007
Salmo 119:001-008
por Cezar Andrade Marques de Azevedo

www.cezar.azevedo.nom.br

OS BEM-AVENTURADOS (אַשְׁר– esher – Oh! Como são felizes!)

Salmo_119_1_8A.JPG

Acróstico: (אַ): A – Alef (sign.: boi – numeral 1)

Bem-aventurados os que trilham com integridade o seu caminho, os que andam na lei do Senhor!

Bem-aventurados os que guardam os seus testemunhos, que o buscam de todo o coração, que não praticam iniqüidade, mas andam nos caminhos dele!

Tu ordenaste os teus preceitos, para que fossem diligentemente observados.

Oxalá sejam os meus caminhos dirigidos de maneira que eu observe os teus estatutos! Então não ficarei confundido, atentando para todos os teus mandamentos.

Louvar-te-ei com retidão de coração, quando tiver aprendido as tuas retas ordenanças. Observarei os teus estatutos; não me desampares totalmente!

“Ouve, ó Israel; o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças.” (Dt 6:4,5)

“Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento.” (Mt 22:37,38)

Salmo_119_001_8.jpg

Diante de cada um de nós está o percurso da vida. Podemos trilhar forjando nossos passos na iniquidade e no pecado ou podemos palmilhar com base nos retos caminhos do Senhor.

Não podemos palmilhar os retos caminhos do Senhor por uma decisão pessoal e forças interior, mas tão somente se o Senhor dirigir nossos passos. Assim, se o nosso desejo são os retos caminhos do Senhor então nos cumpre guardar os seus testemunhos conforme constam na Bíblia. Portanto precisamos conhecer a lei do Senhor e pedir para que nossos passos sejam dirigidos em conformidade com ela.

Para guardá-los precisamos encontrá-los, ou seja, meditarmos neles. O conhecimento da lei do Senhor requer diligente aplicação de todo nosso entendimento e busca com todo nosso coração, ou seja, com a integridade de nosso ser. Se assim procedermos, teremos encontrado a felicidade, nosso coração se encherá de gratidão e louvor, pois teremos aprendido as retas ordenanças do Senhor e nos sentiremos amparados por Sua misericórdia e amor.

BUSCANDO A DEUS DE TODO CORAÇÃO

“Bem-aventurados os que guardam os seus testemunhos, que o buscam de todo o coração” (Sl 119:2)

A lei de Deus foi dada a Israel. Este povo vivia escravizado no Egito, sendo obrigado a servirem a Faraó com dureza, amassando o barro para construir as cidades de Píton e Ramassés (Ex 1:11). Foi neste cenário que Deus libertou a Israel por meio de Moisés para conduzi-los pelo deserto rumo à Canaã. O objetivo desta viagem era fazer o nome de Jeová conhecido entre o povo judeu (Ex 6:3). O mesmo acontece conosco, tendo sido justificados em Cristo Jesus, fomos tirados do poder das trevas, e transportados para o reino do Filho amado de Deus (Cl 1:13 – paráfrase). Desde então prosseguimos santificando a totalidade de nosso viver (Cl 1:10), sendo esta a vontade de Deus para conosco (I Ts 4:3).

No monte Sinai o Senhor entregou os 10 mandamentos em tábuas de pedra (Ex 20). Foi um momento aterrorizante para o povo judeu (Ex 20:18). Isto porque a lei reflete a santidade de Deus (Rm 7:12), contudo nós estamos vendidos sob o pecado (Rm 7:14) razão porque nossos ideais são distintos de nossa prática de vida (Rm 7:22,23). Somente quando nossa determinação é buscar o Senhor de todo coração (Dt 6:4,5) é que nos colocamos em condições de sermos transformados pelo poder de Deus (Rm 12:2). Diante do monte fumegante e à luz do medo de Israel, Moisés lhes disse:

“Não temais, porque Deus veio para vos provar, e para que o seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis” (Ex 20:20).

Se nos guiarmos por nossos instintos naturais, a tendência será de nos afastar de Deus porque a carne luta contra o Espírito (Gl 5:17) enquanto perdurar nossa natureza corruptível. Portanto conhecer a lei de Deus nos faz confrontar conosco mesmo, razão porque é tão importante que o desejo de buscá-lo esteja acima da constituição de nosso ser. Foi esta a decisão que os discípulos tiveram de tomar quando questionados pelo Senhor se queriam partir também, ao que responderam:

“Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna” (Jo 6:68).

DISPONDO O CORAÇÃO À OBEDIÊNCIA

“Bem-aventurados os que trilham com integridade o seu caminho, os que andam na lei do Senhor!” (Sl 119:1)

Quando realmente nos colocamos diante do Senhor, com disposição de conhecer a lei de Deus, os seus mandamentos, a palavra do Senhor começa a interagir conosco. A palavra de Deus é viva e eficaz (Hb 4:12), com poder inerente em si mesma para fazer quanto quando agrada a Deus (Is 55:11). Sua função é esquadrinhar nosso coração (Jr 17:10) apontando qualquer caminho que desagrade ao Senhor (Sl 139:24).

Quando nós respondemos afirmativamente à palavra de Deus então se processa o arrependimento por descobrirmos que somos imundos e que nossa justiça se assemelha ao Senhor como trapo de imundícia (Is 64:6). Desde então nossa opção se torna a irrestrita obediência ao Senhor, nos permitindo sermos guiados pelo Espírito Santo (Rm 8:14), não nos deixando seduzir pelos intensos desejos da carne (Gl 5:16). A este processo o apóstolo Paulo chamou de transformação (Rm 12:2) e Pedro o considerou como o mecanismo por meio do qual nos tornamos participantes da natureza divina (II Pd 1:3), também conhecido como santificação (I Ts 4:3). Conforme colocado pelo apóstolo Paulo:

“Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” (II Co 3:18)

Clique e faça suas observações sobre Salmo 119:1-8