Diminuir a fonteAumentar a fonte 05/12/2007
Salmo 119:041-048
por Cezar Andrade Marques de Azevedo

www.cezar.azevedo.nom.br

O PEREGRINO SE FAZ NOTAR POR ONDE PASSA

Salmo_119_049_56A.JPG

Acróstico (ו): w – Vav (sign. prego – numeral 6)

Venha também sobre mim a tua benignidade, ó Senhor, e a tua salvação, segundo a tua palavra. Assim terei o que responder ao que me afronta, pois confio na tua palavra.

De minha boca não tires totalmente a palavra da verdade, pois tenho esperado nos teus juízos. Assim observarei de contínuo a tua lei, para sempre e eternamente; e andarei em liberdade, pois tenho buscado os teus preceitos.

Falarei dos teus testemunhos perante os reis, e não me envergonharei. Deleitar-me-ei em teus mandamentos, que eu amo. Também levantarei as minhas mãos para os teus mandamentos, que amo, e meditarei nos teus estatutos.

“Eu farei de ti uma grande nação; abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome; e tu, sê uma bênção” (Gn 12:2)

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra” (At 1:8)

Salmo_119_041_48.jpg

Uma das características marcante do peregrino é que ele chama atenção sobre si por onde quer que ande. O peregrino não tem uma morada certa, está sempre em curso, mas quando se aproxima de um dado local, precisa se estabelecer por um tempo até a hora de prosseguir a viagem.

Por atrair sobre si as atenções, tal como um peregrino, o cristão é como uma carta conhecida e lida por todos os homens, sendo manifesta como carta de Cristo e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne do coração (II Co 3:2,3 – paráfrase).

A BONDADE E A SALVAÇÃO DE DEUS

“Venha também sobre mim a tua benignidade, ó Senhor, e a tua salvação, segundo a tua palavra.” (Sl 119:41)

É por ser carta conhecida e lida que o cristão se torna apto a retratar a salvação de Deus, isto porque, aprove ao Senhor “mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus” (Ef 2:7). Isto porque:

“nós éramos outrora insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias paixões e deleites, vivendo em malícia e inveja odiosos e odiando-nos uns aos outros. Mas quando apareceu a bondade de Deus, nosso Salvador e o seu amor para com os homens, não em virtude de obras de justiça que nós houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou mediante o lavar da regeneração e renovação pelo Espírito Santo, que ele derramou abundantemente sobre nós por Jesus Cristo, nosso Salvador; para que, sendo justificados pela sua graça, fôssemos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna.” (Tt 3-7)

Podemos dizer que nós somos panos pretos onde repousa a jóia preciosa que é a presença do Espírito Santo em nós (I Pd 4:14). Nós somos os vasos de barro que carrega dentro de si a bendita presença do Espírito Santo (II Co 4:7). Em nós abundou o pecado, mas sobre nós superabundou a graça de Deus (Rm 5:20).

ADORANDO A DEUS

“Também levantarei as minhas mãos para os teus mandamentos, que amo, e meditarei nos teus estatutos.” (Sl 119:48)

Nós éramos o que éramos, mas fomos lavados, mas fomos santificados, mas fomos justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus (I Co 6:11 – paráfrase). Diante de tão grande ato de amor não nos resta senão nos prostrarmos diante de Deus em adoração. Agora é necessário que “os homens orem em todo lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda” (I Tm 2:8).

O que nos capacitou a adorar a Deus e estar diante dEle em oração foi o fato de termos nascido de novo, quando nascemos da água e do Espírito (Jo 3:5). A água é o elemento que melhor exprime o efeito da palavra de Deus em nosso ser: ela nos purifica (Ez 36:25) e nos limpa (Jo 15:3). Assim, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da nossa salvação, e tendo nele também crido, fomos selados com o Espírito Santo da promessa (Ef 1:13 – paráfrase). Neste ato foi-nos dado um novo espírito (Ez 36:26), o que nos capacitou a adorar a Deus (Jo 4:23). Agora o que alegra o coração de todo servo do Senhor é que cada um de nós seja visto andando na verdade, assim como recebemos mandamento do Pai (II Jo 4).

TENDO COMPROMISSO COM DEUS

“Assim observarei de contínuo a tua lei, para sempre e eternamente” (Sl 119:44)

Diante de tudo quanto Deus nos fez, se realmente temos consciência, não nos resta outra alternativa senão nos dispormos a nos apegar em Deus em amor. Este foi o decidido compromisso dos discípulos quando disseram: “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna” (Jo 6:68).

Quando temos o profundo desejo de prosseguir pelo caminho eterno (Sl 139:24) então nada pode saciar nosso ser senão a presença de Deus. Desde então a oração do peregrino é uma só:

“Eis que tu me dizes:

Faze subir a este povo; porém não me fazes saber a quem hás de enviar comigo.

Disseste também:

Conheço-te por teu nome, e achaste graça aos meus olhos.

Se eu, pois, tenho achado graça aos teus olhos, rogo-te que agora me mostres os teus caminhos, para que eu te conheça, a fim de que ache graça aos teus olhos; e considera que esta nação é teu povo.

Se tu mesmo não fores conosco, não nos faças subir daqui” (Ex 33:12,13,15)

DANDO TESTEMUNHO DE DEUS

“Falarei dos teus testemunhos perante os reis, e não me envergonharei.” (Sl 119:46)

Não há ninguém que seja um adorador com o firme propósito de obedecer à palavra de Deus que não dê testemunho de sua fé. Isto porque este não se envergonha do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego (Rm 1:16 – paráfrase).

Por outro lado se pregarmos o evangelho por obrigação, estamos apenas cumprindo uma responsabilidade, não nos trazendo recompensa alguma (I Co 9:17). Se fizermos tudo que nos estiver ao alcance para levarmos esta mensagem, então nos tornamos co-participantes do evangelho (I Co 9:23). Que seja nosso o testemunho do apóstolo:

“Agora, eis que eu, constrangido no meu espírito, vou a Jerusalém, não sabendo o que ali acontecerá, senão o que o Espírito Santo me testifica, de cidade em cidade, dizendo que me esperam prisões e tribulações. Mas em nada tenho a minha vida como preciosa para mim, contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.” (At 20:22-24)

Clique e faça suas observações sobre o Salmo 119:41-48