Diminuir a fonteAumentar a fonte 07/01/2013
Nosso grande objetivo na vida cristã
por Cezar Andrade Marques de Azevedo

www.cezarazevedo.com.br

E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. (Mt 22.37,38)

Existem certos anseios que estão presentes no coração de todo cristão que nada poderá suprir senão for canalizado para o seu devido lugar. Nós fomos criados por Deus, não só criados como também recriados, isto porque nascemos naturalmente de mulher, depois da água e do Espírito. A essência de toda criação divina tem uma só marca conforme está escrito: Deus “... pôs a eternidade no coração do homem...” (Ec 7.11). No design divino, nós só poderemos estar satisfeito quando verdadeiramente Ele ocupar o centro de nosso coração.

Na busca de responder ao anseio do mais profundo do nosso íntimo lemos a palavra de Deus, contudo, as vezes lemos as escrituras de capa a capa, seu conteúdo é tão extenso que não observamos certos detalhes. Este fim de ano tive o privilégio de participar de uma convenção pela internet transmitida pela igreja de IHOPU, em Kansas City, nos EUA. Este ministério tem por objetivo motivar todos os ministérios cristãos a implantarem em toda terra salas de oração fundamentadas na adoração e na intercessão. Estas casas de oração atuam noite e dia, incessantemente, com um único objetivo em vista: preparar-se para ser recebida pelo Noivo, bem como clamar pela vinda do Noivo. Conforme colocado por uma das líderes de louvor, nós podemos vir a ser a última geração na terra, estamos na transição do mover divino, estamos saindo da dispensação da graça para adentrarmos no reino de justiça promovido pelo Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Ouvindo as ministrações dada neste congresso, uma coisa me ficou claro: Deus tem uma agenda para cada um de nós, para a Sua igreja na face da terra e esta agenda foi expressa pelo Senhor Jesus mostrando qual era o primeiro e grande mandamento, o amor a Deus.

Não sejamos tão rápidos na leitura deste texto, foi isso que fez um certo doutor da lei que, ao perguntar como faria para herdar a vida eterna, o Senhor Jesus lhe perguntou  o que estava escrito nas escrituras. Ele respondeu de forma incisiva: amar a Deus com todo seu ser, ao que Jesus complementou: “Respondeste bem; faze isso e viverás” (Lc 10.28). Pensemos um pouco sobre o significado da palavra dada por nosso Senhor. Amar a Deus é o primeiro mandamento, está acima de todos os outros, ascende a mais alta prioridade de nossa vida. Ademais não é somente o primeiro mandamento, como o maior deles, portanto nada pode ser mais importante em nossa vida senão o de expressar nosso amor a Deus. Nosso grande problema está em como se traduz esta resposta de amor na prática.

Geralmente associamos o amar a Deus como obras produzidas por nós. Alguém pode dizer: se eu trabalhar, amealhar recursos e trazer os dízimos e ofertas ao Senhor, estou mostrando meu amor a Deus. Outro poderia dizer: se eu suprir minha esposa em todas as suas necessidades, sendo fiel a ela, agindo em conformidade com o ensino da palavra de Deus, estou demonstrando meu amor a Deus. Alguém ainda poderia dizer: se eu for ao culto, adorar a Deus com todas minhas forças, não me deixar dominar por nenhuma ansiedade naquele momento tão sublime, eu estou amando a Deus. Por fim alguém pode concluir dizendo: se eu declarar meu amor a Deus apaixonadamente, dizendo a Ele o quanto O amo, estarei mostrando meu amor a Deus. O problema de todas estas assertivas é que estamos crendo sermos capazes de amar a Deus em nossos termos. Nesta convenção aprendi algo que mudou completamente minha visão deste texto: só podemos amar realmente a Deus nos termos de Deus. Portanto para amarmos a Deus, temos de saber realmente como funciona esta resposta de amor à luz da palavra de Deus.

Há uma passagem na Bíblia que demonstra como o amor de Deus nos impacta. Jesus estava na casa de um fariseu quando uma mulher pecadora chegou até Ele, lavou Seus pés com suas lágrimas e enxugou com seus cabelos. Os fariseus ficaram admirados com aquela cena, crendo que Jesus estava se tornando impuro por deixa-se tocar por aquela mulher, ao que ouviram o Senhor dizer: “te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama” (Lc 7.47). O primeiro grande impacto do amor de Deus se dá neste momento em que descobrimos todos nossos pecados perdoados por Ele ao custo do sangue do Cordeiro inocente pregado na cruz. Está escrito: “Nós o amamos porque ele nos amou primeiro” (I Jo 4.19). Nosso amor a Deus cresce a medida que compreendemos a extensão do Seu amor por nós expresso na cruz.

Há outra dimensão do amor de Deus que deveria causar em nós profundo impacto, contudo como pouco conhecemos desta dimensão, quase não somos afetados por ela. Realmente Deus nos amou e nos redimiu com Seu amor, contudo há um propósito ainda maior neste amor, o Senhor, ao nos redimir, está buscando uma noiva para Seu bendito Filho. Entendamos uma coisa: Jesus Cristo, o Filho de Deus, aquele possuidor de toda glória, esvaziou-se de Sua divindade para se fazer Filho do Homem. Pondere a dimensão desta escolha: Deus é Espírito, o Espírito Santo é Espírito, o Filho Unigênito do Pai é Espírito, agora Ele se decide ser Homem. Deus, o Pai não se fez homem, O Espírito Santo não se fez homem, só Filho Unigênito se fez homem. Do ponto de vista do estado de ser, ao se fazer homem, Jesus se viu só. Você pode dizer: mas Ele está assentado à direita do Pai, sim, está, como verdadeiro Deus, Ele tem plena comunhão com o Pai, mas como verdadeiro homem Ele permanece só. Qual a única coisa que pode satisfazer a um homem? Deixemos a palavra de Deus responder:

E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele. (Gn 2.18)

Nós lemos este texto na ótica do primeiro homem, Adão, crendo que foi resolvido com a criação da mulher, Eva, contudo este texto é apenas uma figura da intenção ultima de Deus: preparar a Seu bendito Filho uma esposa, a Noiva de Cristo. Esta é a outra dimensão do amor de Deus que tem nos fugido do entendimento: nós fomos criados para amar o Noivo com o único amor que podemos amá-lo, com o próprio amor de Deus. Descobrir como isso se dá deve ser nosso primeiro e grande objetivo na vida.

Clique e comente este texto

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Rm 6:23)

Clique para o Plano de salvação por pergunta

Clique para o Estudo para novo convertido - 01/10

Clique para o Estudo para batismo 01/10

Clique para o texto Ministração para libertação interior e perdão

Clique e de seu testemunho de aceitar a Cristo como Senhor e Salvador pessoal