Diminuir a fonteAumentar a fonte 14/04/2006
Colossenses 1 - Orando com propriedade
por Cezar Andrade Marques de Azevedo

www.cezar.azevedo.nom.br

O Novo Testamento foi escrito originalmente no grego. Na sua escrita original não havia a marcação em capítulo e versículo. Este tipo de marcação tende a fracionar a leitura do texto de tal modo que se perde a riqueza da argumentação existente no conteúdo da carta. Algumas Bíblias já vem com as anotações dos capítulos e versículos, contudo, dividindo a Bíblia por parágrafos, favorecendo o entendimento da argumentação desenvolvida pelo autor, quando da composição do texto.

A falta do hábito na leitura do texto por parágrafo exige que seja dado um tratamento aos conectivos do texto para que se ressalte a riqueza da argumentação. Em tese, bastaria apresentar o texto de modo paragrafado para recompor sua proposição original, contudo é possível uma outra apresentação deste mesmo texto para resgatar a força dos conectivos, portanto, o desenvolvimento do pensamento do escritor.

O objetivo da apresentação do texto de Paulo aos colossenses visa resgatar a força dos conectivos do texto, portanto, o fio condutor de sua argumentação. Creio que o leitor terá a mesma experiência que eu tive quando me propus a ler sob esta ótica, ou seja, sentir a sensação de ler o texto de Paulo como se fosse um outro texto, completamente distinto do texto que estamos habituado a ler, contudo é o mesmo texto. Entre parêntesis inserções deste autor para retomar o referencial do texto, facilitando a compreensão do argumento.

Colossenses 1

Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, aos santos e fiéis irmãos em Cristo que estão em Colossos:

Graças a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai.

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo se apresenta à igreja de Colosso.  Ele é um homem com um chamado da parte de Deus para ser testemunha do Senhor ressurreto Cristo Jesus. Esta inversão do nome é proposital, pois Cristo significa “o Ungido”, aquele que tem a plenitude do Espírito Santo e agora compartilha do Seu Espírito com a igreja, batizando-a com o Espírito Santo, como aconteceu em Atos 2, quando o Espírito veio em forma de línguas de fogo sobre toda a igreja reunida no cenáculo.

Paulo dirige suas palavras à igreja de Colosso. Os cristãos são apresentados como santos e fieis. Santos porque possuem o selo do Espírito Santo, portanto, salvos em Cristo Jesus. Fiéis porque dão testemunhos da fé que alcançaram no Senhor.

Paulo saúda a igreja de Colosso. Observe que Paulo saúda a igreja da parte do Senhor. Sempre que leio esta saudação fico pensando na comunhão de Paulo com o Senhor, porquanto ninguém tem o direito de dirigir-se a alguém em nome de uma terceira pessoa se não tiver sido comissionado por esta pessoa a responder em nome dela.

Graças damos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, orando sempre por vós,

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo declara o objeto de sua oração a Deus. Por todas as cartas de Paulo pode-se observar o quanto ele se aplicava à oração. Ele usa uma palavra fortíssima para expressar a intensidade de suas orações: “sempre”. Como Paulo fizera várias viagens missionárias, fico pensando se a cada dia ele orava por todas as igrejas, o fato é que ele demonstra lembrar-se diariamente da igreja de Colossos em suas orações.

Paulo agradece a Deus pela igreja de Colossos. É notável como Paulo dá inicio a suas orações. Barnabé, quando chegou em Antioquia e contemplou o número de salvos em Cristo Jesus, recebeu o seguinte testemunho de Lucas: “quando chegou e viu a graça de Deus, se alegrou” (At 11:27). Esta sincera alegria é a mesma que os anjos tem no céu quando um pecador se arrepende (Lc 15:10) e está fundamentada no fato de terem sido resgatados das trevas e do poder de Satanás para Deus, razão de Paulo dar graças a Deus.

desde que ouvimos falar da vossa fé em Cristo Jesus, e do amor que tendes a todos os santos,

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo ouviu o testemunho da igreja de Colossos. Quem deu este testemunho foi Epafras, destacando a fé e o amor como qualidades marcantes da igreja de Colossos, numa evidente demonstração da harmonia desta igreja entre o relacionamento com Deus e com os irmãos na fé. O apóstolo João já destacava esta conexão quando declarou que era impossível demonstrar amor a Deus se não fosse evidente o amor pelos irmãos (I Jo 4:20)

Paulo manifestou seu apreço pelo que ouviu imediatamente.

por causa da esperança que vos está reservada nos céus,

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

A força da fé e do amor está na esperança. É interessante observar que estas três qualidades são aquelas que Paulo declarou ainda permanecer na presente era (I Co 13:13).

A esperança não reside em bens terrenos. É preciso destacar este aspecto, pois hoje a igreja se vê contaminada pela chamada teologia da prosperidade, que ensina erroneamente aos cristãos buscar riquezas que a traça e a ferrugem consomem e os ladrões minam e roubam (Mt 6:19)

da qual (referindo-se esperança reservada nos céus) antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho, que já chegou a vós, como também está em todo o mundo, frutificando e crescendo,

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

A esperança está baseada na Palavra de Deus. É preciso ressalvar esta verdade, pois ela atesta a inerrância das Escrituras. Hoje existem aqueles que advogam a tese que a força do Evangelho está na sua interpretação, que consiste numa chave hermenêutica. O perigo desta tese está que o portador da chave da interpretação se torna mais importante que a palavra de Deus em si, pois o interprete passa a ser o aferidor da verdadeira leitura que se faz desta palavra.

A palavra de Deus é uma semente viva. Paulo declara que esta palavra frutifica e cresce, portando é uma palavra viva, com poder inerente em si mesmo, princípio este observado na igreja, conforme o registro de Lucas (At 12:24). Na cidade de Éfeso lemos: “a palavra do Senhor crescia poderosamente e prevalecia” (At 19:20).

assim como entre vós (a palavra da verdade do evangelho foi anunciada) desde o dia em que ouvistes e conhecestes a graça de Deus em verdade,

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

A palavra de Deus gera o fruto que se espera dela. A palavra anunciada por meio do Evangelho operou de modo eficaz no coração daqueles que estavam em Colossos, impactando suas vidas, fazendo-os experimentar uma fé viva em Cristo Jesus.

(esta graça de Deus ministrada em verdade) segundo aprendestes de Epafras nosso amado conservo, que por nós é fiel ministro de Cristo. O qual também nos declarou o vosso amor no Espírito.

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

A graça de Deus precisa ser ministrada em verdade por homens fieis. Muito se diz sobre falar a verdade, sendo para muitos como um direito de dizer o que pensam. A palavra de Deus é balizada pela própria palavra, portanto, falar a verdade não significa apontar o pecado nem ofender alguém. Falar a verdade é apresentar a graça baseada na fé, tanto para a justificação (Ef 2:8), para a santificação (Cl 2:6), como também para a glorificação (Ef 1:14), pois sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11:6).

Por esta razão (que decorre do testemunho dado por Epafras, nos termos que foi dado), nós também, desde o dia em que ouvimos, não cessamos de orar por vós,

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo reforça a razão de aplicar-se em oração. Paulo já dissera que orava, de contínuo, pela igreja por causa da fé que eles tinham em Cristo Jesus e o amor por todos os santos. Agora reforça suas razões por saber que esta fé e este amor estão alicerçados na palavra de Deus, ministrada por um homem fiel.

e de pedir que sejais cheios do pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual;

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo apresenta sua oração feita a Deus. É notável o contraste entre a oração feita por Paulo e a que se ouve hoje, no seio da igreja. Enquanto Paulo ora para que as pessoas sejam cheias do conhecimento de Deus, muitos hoje centram suas orações na busca de prosperidade material. Paulo está em sintonia com o Senhor, pois Jesus declarou que a vida eterna consiste em conhecer a Deus e a Ele próprio (Jo 17:3).

O conhecimento da vontade de Deus exige sabedoria e entendimento espiritual. Paulo já exortara a igreja de Éfeso à não ser néscia, mas sábia, não ser insensata, mas buscar conhecer qual era a vontade de Deus (Ef 5:15,17). O sábio é aquele que discerne o modo e o tempo (Ec 8:5), pois a palavra de Deus precisa ser aplicada com entendimento.

Para que haja conhecimento da vontade de Deus é preciso que alguém esteja intercedendo. Talvez a maior razão de muitos, na igreja, estar buscando a prosperidade material em detrimento do crescimento espiritual seja por não haver intercessores que estejam orando em conformidade com a vontade de Deus para com seu povo.

  • para que possais andar de maneira digna do Senhor,
  • agradando-lhe em tudo,
  • frutificando em toda boa obra, e
  • crescendo no conhecimento de Deus,
      • corroborados (ou fortificados, fortalecidos) com toda a fortaleza, segundo o poder da sua glória,

para toda a perseverança e longanimidade com gozo;

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

O conhecimento da vontade de Deus direciona o agir do cristão. O andar com Deus envolve três esferas básicas: o indivíduo em si mesmo, aquilo que ele é por dentro, devendo ser agradável a Deus pelo que fala e pelo que pensa (Sl 19:14); o indivíduo naquilo que ele faz a si e aos outros, devendo nortear sua conduta no amor (I Co 13:1-3); e o indivíduo em relação a Deus, crescendo como membro do corpo de Cristo, como servo de Deus, como homem maduro e como testemunha eficaz do poder de Deus (Ef 4:13).

O conhecimento da vontade de Deus produz perseverança, firmeza de ânimo e alegria. Estas qualidades precisam ser qualificadas, pois muitos do que se dizem perseverar no Senhor, na verdade são como crianças birrentas, que não saem do lugar. Estes mais se parecem com aqueles que o Senhor declarou que não entram e nem deixam outros entrarem (Mt 23:13), pois o comportamento destes não condiz com o testemunho que pretendem dar.

dando graças ao Pai

  • que vos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz, e
  • que nos tirou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do seu Filho amado;

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo explica o motivo de sua ação de graça e seu louvor a Deus pela igreja de Colosso e por todos os cristãos em todas as épocas. Jeremias já dizia que as misericórdias de Deus são as razões de não sermos consumidos, Paulo dá um passo adiante e mostra sua gratidão a Deus por todos aqueles que são alcançados pela graça, lavados, remidos e santificados pelo sangue do Cordeiro (I Co 6:11) e agora idôneos para serem co-herdeiros em Cristo Jesus (Rm 8:17). Paulo ressalta também o grande livramento alcançado pelo povo de Deus, sendo resgatados das trevas para a gloriosa luz (I Pd 2:9).

(do seu Filho amado)

em quem temos a redenção, a saber, a remissão dos pecados;
 
o qual (o Seu Filho amado) é

  • a imagem do Deus invisível,
  • o primogênito de toda a criação;

porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis,

  • sejam tronos,
  • sejam dominações,
  • sejam principados,
  • sejam potestades;

tudo foi criado por ele e para ele.

      • Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas;
      • também ele é a cabeça do corpo, da igreja;
      • é o princípio,
      • (é) o primogênito dentre os mortos,

para que em tudo tenha a preeminência,

porque aprouve a Deus que

  • nele habitasse toda a plenitude,
  • e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus.

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo abre um parêntesis para explicar porque o Senhor Jesus é o centro e a razão de toda realização da parte de Deus. Primeiro, e acima de tudo, porque em Cristo Jesus é que temos a remissão de nossos pecados, por meio de quem somos remidos por Deus. Este fato abre toda a apresentação do Senhor Jesus porque somente somos capazes de conhecer ao Senhor porque fomos alcançados por Seu amor e Sua graça.

Os qualificativos do Filho de Deus abrangem todos os aspectos.

 (Dando graça ao Pai) A vós também,

que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras mas,
agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte,

a fim de perante ele vos apresentar

  • santos,
  • sem defeito e
  • irrepreensíveis,

se é que permaneceis na fé, fundados e firmes,

não vos deixando apartar da esperança do evangelho

  • que ouvistes, e
  • que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e
  • do qual eu, Paulo, fui constituído ministro.

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo explica o motivo de sua ação de graça pela igreja, fazendo-os lembrar de onde vieram e para quais propósitos foram chamados, bem o modo como se deu este chamamento. Ser chamado por Deus e participante do evangelho de Cristo não é um fim em si mesmo, como muitos pensam, por isso permanecem acomodados, não dando lugar para o desenvolvimento de sua carreira cristã. Antes, ser chamado por Deus é motivo de louvor e resulta em uma vida que tem comunhão com Deus e com a igreja do Senhor, sendo a si mesmo testemunha eficaz do Senhor.

Agora me regozijo no meio dos meus sofrimentos por vós,
e cumpro na minha carne o que resta das aflições de Cristo,

por amor do seu corpo, que é a igreja;

da qual eu fui constituído ministro segundo a dispensação de Deus, que me foi concedida para convosco,

a fim de cumprir a palavra de Deus,

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

Paulo dá seu próprio testemunho do sacrifico que representa ministrar a palavra de Deus. Desde o dia em que ele foi chamado, o Senhor já lhe falara a respeito dos sofrimentos que sobreviriam a ele no cumprimento de seu chamamento. Hoje os obreiros querem o chamado sem o sofrimento que lhe é inerente, pensando que ser ministro de Deus é uma profissão, com direito a férias, dias de descansos e tudo mais.

(o cumprimento da palavra de Deus)

o mistério que esteve oculto dos séculos, e das gerações; mas agora foi manifesto aos seus santos,

a quem Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios,

que é Cristo em vós, a esperança da glória;

o qual (o mistério) nós anunciamos, admoestando a todo homem, e ensinando a todo homem em toda a sabedoria,

  • para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo;
  • para isso também trabalho,

lutando segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente.

▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼▼

O grande mistério de Deus: “Cristo em vós, esperança da glória”. Esta também é chamada “a benção de Abraão” que é a presença do Espírito Santo no cristão, tornando-o templo de Deus, habitação de Deus em Espírito.

Colossenses 1 – Leitura diagramada, sem comentários

Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, aos santos e fiéis irmãos em Cristo que estão em Colossos:

Graças a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai.

Graças damos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, orando sempre por vós,

desde que ouvimos falar da vossa fé em Cristo Jesus, e do amor que tendes a todos os santos,

por causa da esperança que vos está reservada nos céus,

da qual (referindo-se esperança reservada nos céus) antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho, que já chegou a vós, como também está em todo o mundo, frutificando e crescendo,

assim como entre vós (a palavra da verdade do evangelho foi anunciada) desde o dia em que ouvistes e conhecestes a graça de Deus em verdade,

(esta graça de Deus ministrada em verdade) segundo aprendestes de Epafras nosso amado conservo, que por nós é fiel ministro de Cristo. O qual também nos declarou o vosso amor no Espírito.

Por esta razão (que decorre do testemunho dado por Epafras, nos termos que foi dado), nós também, desde o dia em que ouvimos, não cessamos de orar por vós,

e de pedir que sejais cheios do pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual;

  • para que possais andar de maneira digna do Senhor,
  • agradando-lhe em tudo,
  • frutificando em toda boa obra, e
  • crescendo no conhecimento de Deus,
      • corroborados (ou fortificados, fortalecidos) com toda a fortaleza, segundo o poder da sua glória,

para toda a perseverança e longanimidade com gozo;

dando graças ao Pai

  • que vos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz, e
  • que nos tirou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do seu Filho amado;

(do seu Filho amado)

em quem temos a redenção, a saber, a remissão dos pecados;
 
o qual (o Seu Filho amado) é

  • a imagem do Deus invisível,
  • o primogênito de toda a criação;

porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis,

  • sejam tronos,
  • sejam dominações,
  • sejam principados,
  • sejam potestades;

tudo foi criado por ele e para ele.

      • Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas;
      • também ele é a cabeça do corpo, da igreja;
      • é o princípio,
      • (é) o primogênito dentre os mortos,

para que em tudo tenha a preeminência,

porque aprouve a Deus que

  • nele habitasse toda a plenitude,
  • e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus.

 (Dando graça ao Pai) A vós também,

que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras mas,
agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte,

a fim de perante ele vos apresentar

  • santos,
  • sem defeito e
  • irrepreensíveis,

se é que permaneceis na fé, fundados e firmes,

não vos deixando apartar da esperança do evangelho

  • que ouvistes, e
  • que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e
  • do qual eu, Paulo, fui constituído ministro.

Agora me regozijo no meio dos meus sofrimentos por vós,
e cumpro na minha carne o que resta das aflições de Cristo,

por amor do seu corpo, que é a igreja;

da qual eu fui constituído ministro segundo a dispensação de Deus, que me foi concedida para convosco,

a fim de cumprir a palavra de Deus,

(o cumprimento da palavra de Deus)

o mistério que esteve oculto dos séculos, e das gerações; mas agora foi manifesto aos seus santos,

a quem Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios,

que é Cristo em vós, a esperança da glória;

o qual (o mistério) nós anunciamos, admoestando a todo homem, e ensinando a todo homem em toda a sabedoria,

  • para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo;
  • para isso também trabalho,

lutando segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente.

Colossenses 1 – Leitura paragrafada

Convém observar a extensão da frase, antes do ponto final. Paulo, quando compôs esta carta, fez por meio de amanuenses, que eram homens destros na escrita, que transcreviam aquilo que era ditado. Como Paulo utilizava-se da fala para ditar, se estendia nas suas considerações.

Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, aos santos e fiéis irmãos em Cristo que estão em Colossos: Graças a vós, e paz da parte de Deus nosso Pai.

Graças damos a Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, orando sempre por vós, desde que ouvimos falar da vossa fé em Cristo Jesus, e do amor que tendes a todos os santos, por causa da esperança que vos está reservada nos céus, da qual antes ouvistes pela palavra da verdade do evangelho, que já chegou a vós, como também está em todo o mundo, frutificando e crescendo, assim como entre vós desde o dia em que ouvistes e conhecestes a graça de Deus em verdade, segundo aprendestes de Epafras nosso amado conservo, que por nós é fiel ministro de Cristo. O qual também nos declarou o vosso amor no Espírito.

Por esta razão, nós também, desde o dia em que ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do pleno conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e entendimento espiritual; para que possais andar de maneira digna do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus, corroborados com toda a fortaleza, segundo o poder da sua glória, para toda a perseverança e longanimidade com gozo; dando graças ao Pai que vos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz, e que nos tirou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do seu Filho amado; em quem temos a redenção, a saber, a remissão dos pecados; o qual é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas; também ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência, porque aprouve a Deus que nele habitasse toda a plenitude, e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus.

A vós também, que outrora éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras mas, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé, fundados e firmes, não vos deixando apartar da esperança do evangelho que ouvistes, e que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, fui constituído ministro.

Agora me regozijo no meio dos meus sofrimentos por vós, e cumpro na minha carne o que resta das aflições de Cristo, por amor do seu corpo, que é a igreja; da qual eu fui constituído ministro segundo a dispensação de Deus, que me foi concedida para convosco, a fim de cumprir a palavra de Deus, o mistério que esteve oculto dos séculos, e das gerações; mas agora foi manifesto aos seus santos, a quem Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, a esperança da glória; o qual nós anunciamos, admoestando a todo homem, e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo; para isso também trabalho, lutando segundo a sua eficácia, que opera em mim poderosamente.

Clique e comente

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” (Rm 6:23)

Clique para o Plano de salvação por pergunta

Clique para o Estudo para novo convertido - 01/10

Clique para o Estudo para batismo 01/10

Clique para o texto Ministração para libertação interior e perdão

Clique e de seu testemunho de aceitar a Cristo como Senhor e Salvador pessoal