Diminuir a fonteAumentar a fonte 18/01/2007
Fechando a porta do medo
por Cezar Andrade Marques de Azevedo

cezar: Deixa eu contar esta história. Um amigo de infância se converteu num jantar da ADONHEP em 1996. Em 1997 ele veio a mim e pediu para ajudá-lo a crescer em Cristo.

amiga: Ok.

cezar: Conversa vai, conversa vem ele me contou que tinha muito medo, medo do escuro, medo de assombração, medo de espírito.

cezar: Eu lhe perguntei quando foi a primeira vez que o medo surgiu. Ele me disse que fora em sua casa.

cezar: Detalhe, ele era meu amigo de infância. Eu vivia na casa dele. Ia na sexta, dormia lá e só voltava para casa na segunda.

amiga: E...

cezar: Bem, ele me disse mais, você também tem medo Cezar,

cezar: Eu disse: prove-me.

cezar: Ele então descreveu todas as características de uma pessoa que tinha medo e mostrou-me que eu tinha todas elas, menos uma, eu disfarçava o medo. Ele não disfarçava, mas eu sim.

cezar: Diante do que ele disse eu fiz a seguinte pergunta para mim mesmo: qual a relação entre o medo em minha vida e o medo na vida dele?

cezar: Então me lembrei. Quando eu era pequeno fui na casa dele, peguei um livro que contava uma das estórias de Tarzan e levei para casa.

cezar: Em casa li o livro. Era de noite. Eu estava com sono, assim, li um parágrafo que estava no meio do livro, do lado esquerdo da página, umas dez linhas antes de terminar a página (memória fotográfica, rsrs).

amiga: Rsrs, boas lembranças.

cezar: Então eu perguntei ao meu amigo onde estavam os livros de seu pai. Ele disse que na casa de seu irmão. Fui na casa do seu irmão, peguei o livro e levei para casa.

cezar: Voltando ao sonho. Quando eu era pequeno eu lera o texto: Tarzan assustara os índios, se fazendo passar por um espírito. Terminando de ler eu dissera para mim mesmo, antes de dormir: quão bobos são os índios, eu nunca me assustaria assim.

cezar: Adormeci.

cezar: Naquele instante eu vi, não sei o que vi, mas era tenebroso, pois um grito de terror brotou na minha barriga e quando chegou na garganta, lembrei que era sonho e acordei – eu tinha 9 para 10 anos naquela ocasião.

cezar: Voltando agora em 1997. Eu peguei o livro e procurei o texto. Estava escrito: “e entrou um espírito de fantasia na cabeça de Tarzan e Tarzan fez ...”

cezar: Ali estava a resposta, a base legal de Satanás contra minha vida, a porta de entrada do medo em minha vida.

cezar: Estava resolvido. Eu tinha agora como tratar o medo. Ajoelhei, confessei meu pecado a Deus e neutralizei a base legal de Satanás.

amiga: Sim, agora realmente neutralizou. O sangue de Cristo fez a obra.

Pode comentar